Anúncios

Como reduzir os custos das análises do novo plano de amostragem da IN 60/2019?

2 min leitura

O grande número de amostragens exigidas pelas novas normas RDC 331/2019 e IN 60/2019 da Anvisa, referentes à qualidade microbiológica dos alimentos está dando o que falar. Embora esteja claro e seja indiscutível que o maior número de análises promove melhorias na segurança dos alimentos ofertados à população e aumenta a garantia de qualidade, uma vez que quanto mais dados gerados, mais fácil é a tomada de decisões no processo, o que está em pauta também é o aumento nos custos analíticos.

A maior quantidade no número de amostras que devem ser coletadas no plano de amostragem influencia os gastos tanto das grandes empresas quanto das pequenas.

Nesse post, serão abordadas algumas formas de reduzir os custos com essas análises e ainda seguir as normas.

A primeira forma já foi abordada em um post anterior, o qual também cita outros detalhes das novas normas, entre eles a composição de amostras, também conhecida como pooling, que será mais detalhada agora.

Nesse método é possível recolher 25g de cada amostra a ser analisada, fazer o pré-enriquecimento das amostras separadamente, depois juntá-las no caldo de enriquecimento e então fazer um único plaqueamento, conforme ilustrado na imagem abaixo.

Este método permite reduzir o número de materiais utilizados e o tempo destinado à análise, diminuindo os custos. Entretanto, ele tem algumas restrições e só pode ser utilizado nos planos de presença e ausência, ou seja, para a análise de Salmonella e Listeria monocytogenes de apenas algumas categorias.

Além disso, o método utilizado para realizar a análise deve mencionar a possibilidade de fazer a composição das amostras, isto é, deve citar a possibilidade de utilizar quantidades maiores que 25 g (ex.: adicione 25g ou 375g em 225 ml ou 1,5 L, respectivamente). As metodologias utilizadas devem seguir uma das referências citadas no Art. 10. da RDC 331/2019. Nesse método, caso ocorra a detecção de presença do patógeno, não é possível saber quais amostras estavam positivas, portanto será preciso depois analisar uma a uma para então pesquisar a causa. Esse assunto foi abordado anteriormente no final deste post.

Outra maneira para reduzir custos analíticos é a união de empresas. Como acontece em diferentes setores, quanto maior o número de amostras, mais baixo é o custo por análise. Sendo assim, seria interessante as pequenas empresas se juntarem e fazer um pacote com o laboratório de análises, unindo as suas amostras para serem analisadas conjuntamente.

E por fim, dependendo das condições da empresa, porte e o número de análises, é interessante também pensar na montagem de um laboratório próprio, o que pode também reduzir os custos de análises em longo prazo.

Quer saber mais sobre as novas normas da Anvisa RDC 331/2019 e IN 60/2019? Leia estes posts:

A RDC 331/2019 e a IN 60/2019 entraram em vigor em 26 de dezembro de 2020. E agora?

Faltam 6 meses para a RDC 331/2019 e a IN 60/2019 entrarem em vigor. Dicas sobre o que mudou

Atualização da norma de padrões microbiológicos para alimentos

Análises microbiológicas por lote composto e cautela na interpretação de resultados

Análise microbiológica de alimentos: importância do plano de amostragem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todos os textos são assinados e refletem a opinião de seus autores.

lorem

Food Safety Brazil Org

CNPJ: 22.335.091.0001-59

organização sem fins lucrativos

Produzido por AG74
© 2020, Themosaurus Theme
Compartilhar