Emergências, gestão de crises e recall

6 min leitura

O tema gestão de crises e emergências encontra conotações diferentes em cada área, contudo, pela perspectiva da segurança dos alimentos estaria especialmente associado a permitir que produtos contaminados chegassem aos consumidores, podendo, dependendo do contaminante e de sua intensidade, na pior das hipóteses, até levar pessoas a óbito.

Apesar do controle operacional, de todo cuidado que as organizações possam dispensar para prevenir problemas, zelo, técnica e competência das pessoas envolvidas, nenhuma atividade de produção industrial pode ser realizada de maneira absolutamente segura. Por isso, prevenir problemas é conditio sine qua non, porém, saber previamente o que fazer caso uma situação de emergência venha a ocorrer, deve ser pensado, planejado, implementado e praticado via simulação.

O primeiro passo é que exista na organização um comitê de gestão de crises que deve ser multisetorial e multidisciplinar, em que além de outras atividades e atribuições, seus componentes também se reúnam para tratar de temas associadas com crises na perspectiva de food safety, e que deve ter as seguintes atribuições:

  1. Mapear todas as situações possíveis e imagináveis em que possa ocorrer algum problema, que, ao se ampliar, torne-se crise, tomando-se por base, por exemplo, perigos e condições de risco provenientes de planos de HACCP, além de históricos e dados de mercado sobre o tipo de produtos que a organização produz, DVAs, condições de transporte ou comercialização do setor;
  2. Elaborar planos de contingência para ação em meio à crise;
  3. Todos os seus integrantes devem ter celulares e outras formas de comunicação imediata, podendo ser, em caso de crise, localizáveis a qualquer hora do dia ou da noite, e compartilhar esses telefones e outras formas de contato, como manter um grupo de Whatsapp para este fim específico ou e-mails de alerta;
  4. Responder pelo gerenciamento do problema, assessorando a alta direção na tomada de decisões, objetivando minimizar ou evitar prejuízos à imagem da empresa, e claro, à saúde de consumidores;
  5. Responder com agilidade e alto grau de acerto às inúmeras questões pertinentes ao contexto da crise, sejam de caráter técnico, logístico ou de rastreabilidade;
  6. Ter canais disponíveis para consultar stakeholders, para se obter dados, informações e conhecer a óptica externa da empresa;
  7. Direcionar e motivar os envolvidos na crise, tanto da empresa quanto dos públicos de interesse, a buscar soluções viáveis e cabíveis;
  8. Acompanhar a implementação de soluções e registrar todos os passos, como o cronograma de implantação e os resultados obtidos com tais esforços.

Para tanto, as organizações devem desenvolver rotinas e procedimentos cujo objetivo é determinar ações para atendimento e mitigação de situações que caracterizem crises. Crises, então, estão vinculadas a situações que acontecem sem previsão, mas com condições de provocar prejuízos de difíceis cálculos financeiros, à imagem, e o pior, para uma empresa alimentícia, em última instância, crise é tudo aquilo que está relacionado com produtos potencialmente inseguros à saúde dos consumidores.

“Antecipar-se aos fatos é o grande segredo de um eficiente programa de gestão, administração e mitigação de crises”.

Para tanto, é fundamental o estudo de problemas mais comuns, mais recentes e até de alguns ocorridos em empresas de atividades afins: isto permitirá importantes incrementos no planejamento prévio, ou seja, a partir do aprendizado com o erro dos outros.

Uma ação fundamental sobre como lidar com uma emergência é estar plenamente preparado para uma situação que requeira recolhimento (recall), ou seja, deve-se ter total clareza e segurança sobre como proceder para agir rapidamente e tirar do mercado produtos potencialmente perigosos com o máximo de eficiência quanto às quantidades recolhidas e o tempo gasto para se fazer isso.

Nesta ótica, caso seja detectado um lote contaminado, ou potencialmente contaminado, já presente no mercado, a situação deverá ser classificada conforme a classe de risco:

Classe 1 – Quando a não conformidade identificada representar sério risco à saúde, podendo ocasionar danos severos e até morte;

Classe 2 – Quando a não conformidade identificada apresentar risco médio ou moderados à saúde;

Classe 3 – Quando a não conformidade identificada não acarreta risco à saúde, mas à imagem da organização.

Para o rápido e efetivo recolhimento do produto, é necessário que a organização tenha dados que garantam a rastreabilidade interna e externa do produto vendido, ao menos até o primeiro elo da cadeia, e indo além, que a organização prepare, treine e audite seus distribuidores para garantir que eles também mantenham sistemáticas de rastreabilidade para cada próximo elo, permitindo identificar onde cada lote de produto foi parar, a fim de se proceder uma rápida retirada do mercado.

Uma crise pode chegar até a organização por diversos canais, seja um telefonema no SAC ou via redes sociais como o Facebook. Por isso, o pessoal que ocupa as posições de monitoramento destes canais é a “ponta da lança” que deve ser treinada para ter competências na identificação de potenciais crises a fim de dar o “disparo” de alerta ao comitê.

Quem ocupa estas posições deve ter como característica sobriedade e a boa comunicação, a fim de fazer frente ao problema, conseguir coletar informações, acalmar o outro lado com serenidade e ter o bom senso de decidir sobre se o caso em questão é apenas um dos rotineiros ou anômalos que caracterizem crises potenciais.

É preciso considerar que se o contato que desencadeou o alerta envolver alegação de enfermidade por parte de um consumidor, deve-se, independentemente de associação de nexo causal, com uma probabilidade razoável do fato relatado,  obter informações sobre sintomas, se a pessoa foi ao médico, e se sim qual o contato para se buscar mais informações, e perguntar sobre outros alimentos ingeridos nas últimas 48 horas. Se estiver associado com a presença de corpos estranhos, que se peça para descrever detalhadamente do que se trata, se é metal, plástico rígido, acrílico, farpa de madeira, pedaço de caroço, se o formato é perfuro cortante, etc.

A partir daí levantam-se informações para determinar a classe do problema, e de acordo com esta classe se decide sobre a eventual necessidade de um recall. Neste caso, uma autoridade competente da organização, preferencialmente membro da alta direção por ter maior poder de decisão, convoca o comitê de crises com o propósito de articular todas as medidas necessárias para mitigação do problema, incluindo normalmente as pessoas vinculadas com as seguintes posições:

          Recall Classe 1: Qualidade, logística, comercial, advogado e marketing.

          Recall Classe 2 e 3: Qualidade, logística, comercial, e se necessário, advogado.

Uma reunião do comitê de crises sobre o tema recall, como boa prática, deve sempre ser presidida por um membro da alta direção, a fim de deliberar decisões sobre os desafios que serão postos para serem enfrentados pelo comitê de crises. As decisões e providências tomadas deverão ser registradas, até mesmo, por estarem relacionadas a atender questões legais dependendo da gravidade do evento.

O fenômeno emergência é remoto, incerto e indesejável, e essa característica não favorece a força impulsionadora do comportamento seguro, que é preparar-se para trazer a situação de volta ao controle. Assim, é necessário criar uma situação certa, imediata e desejável por meio da realização de testes simulados que permitam identificar falhas, nos quais os recursos são dirigidos ao treinamento e cujo objetivo é desenvolver habilidades para enfrentar situações reais, inclusive as comportamentais.

Por isso, recomenda-se que no mínimo semestralmente, sejam realizados simulados de recall para identificar falhas de rastreabilidade, tempo de resposta dos membros do comitê de crises, assertividade nas ações propostas de contra medidas à crise e o tempo gasto no processo.

Existem armadilhas que podem aumentar os danos de uma crise:

  1. Incidentes se tornam crises quando os dirigentes não reconhecem ou demoram a admitir o problema, e insistem em tratá-lo pelos processos normais. Uma crise é uma crise, e nela não importa quem tem razão, se não for rapidamente contida pode destruir uma marca;
  2. Se um consumidor acredita que um produto estava estragado, mesmo que não seja o caso, a empresa precisa lidar com uma questão de “produto estragado”, logicamente rastreando e levantando evidências objetivas que demonstrem a verdadeira causa dos problemas;
  3. Um incidente local que envolva empresa ou produto pode tornar-se uma crise regional, nacional ou internacional, se não for logo levado aos níveis altos da organização. A alta direção é quem tem poder de tomar decisões numa crise e quanto mais rapidamente estiverem cientes do problema e agindo, mais rapidamente a crise estará sob controle.

Cuidado com a comunicação numa crise, pois mesmo um problema pequeno pode parecer grande frente aos consumidores e prejudicar severamente a imagem da organização se a forma como a organização se comunica não causar a impressão de clareza, de verdade, e de desejo de buscar uma efetiva solução. Por isso:

  1. Tenha na equipe de gestão de crises pessoa preparada para lidar com público e imprensa;
  2. Muitas crises são iniciadas não por eventos internos, mas sim por percepções e interpretações externas de ações internas, por isso tenha um bom canal de comunicação, e esteja atento inclusive a redes sociais;
  3. Considere o “princípio dos vasos comunicantes”, entendendo que é essencial que os materiais de comunicação para públicos internos e externos sejam consistentes e alinhados, já que as informações internas se tornarão externas, e vice-versa;
  4. Não saia falando sem saber o que de fato aconteceu, direcione a pessoa treinada a lidar com público. Caso seja pego de surpresa e tenha de falar com imprensa, declare que você irá se informar e voltará a falar, e volte ou envie pessoa capacitada para fazê-lo;
  5. Tudo é uma questão de comunicação: será que os jornalistas e a opinião pública estão de fato entendendo e aceitando o que você está falando? Cuidado com o jargão, termos técnicos e evasivos. Não especule, não brinque e não subestime;
  6. Assegure-se de estar sendo compreendido;
  7. Jamais diga “sem comentários” ou “nada a declarar”. Essas frases, antipáticas, dão a impressão de que você tem algo a esconder;
  8. A imagem e a credibilidade, no momento de crise, são decisivas.

Tenha um sistema de gestão da segurança dos alimentos estruturado para nunca precisar utilizar uma sistemática de gestão de crises, mas se ela ocorrer, então é melhor que a organização esteja plenamente preparada sabendo como deve agir, e no pós-crise, uma das primeiras tarefas é a elaboração de uma pesquisa de imagem, com o objetivo de levantar dados acerca dos possíveis prejuízos à marca, e onde for possível, uma auditoria de imagem perante a imprensa, tudo isto para iniciar um trabalho de recuperação da imagem.

Sistemáticas de gestão de crises são como seguros com os quais gastamos recursos, mas fazemos de tudo para nunca precisar usá-los.

36 thoughts on

Emergências, gestão de crises e recall

  • MARIA LUIZA MARIA LUIZA

    A Comunicação em tempos de crise é o ponto crítico de todas as organizações e na área de alimentos estratégica. Excelente artigo.

    0
  • Marco T Bertolino

    Obrigado Maria Luiza!! Sem dúvida comunicação é o ponto chave.

    0
  • Jeruza

    A forma da comunicação faz toda a diferença, principalmente quem comunica, que tem que esta atento a cada palavra citada como forma de não gerar dubiedade no dizer.

    0
    • Marco T Bertolino

      Sem dúvidas Jeruza, comunicação é tudo em um processo de gestão de crises.

      0
    • Marco T Bertolino

      Sem dúvidas Jeruza, comunicação é tudo em um processo de gestão de crises.

      0
  • Marco T Bertolino

    Sem dúvidas Jeruza, comunicação é tudo em um processo de gestão de crises.

    0
  • Manuella Boudoux

    Mapeamento dos riscos, controles adequados de processos, Soluções de contra medidas, definição de um comitê de gestão de riscos e de crises são fundamentais em uma companhia. Muito bom o artigo, parabéns!

    0
  • Priscilla Ferreira Correa

    Ter um sistema de gestão da segurança dos alimentos estruturado é essencial para o crescimento de uma empresa principalmente em um momento de crise, comunicação é tudo.
    Artigo bem esclarecedor.

    0
  • Kaio Cabral

    Muito bom o artigo. Deixa claro que a empresa esteja pronta não apenas para evitar possíveis crises mas para trata-las da melhor forma caso venha ocorrer.

    0
  • Kaio Cabral

    Muito bom o artigo. Mostra que as empresas não devem apenas estar preparada para evitar possíveis problemas mas saber trata-los caso ocorra.

    0
  • Ana Mary Amorim

    Muito esclarecedor. Penso que, companhias para superar crises precisam investir arduamente na gestão da comuicação interna e externa, com um posicionamento firme e ético diante do cliente.

    0
  • Karina Barbosa

    Importante estar pronto para atender uma crise, para isso é de extrema importância simular e buscar analisar os possíveis riscos para que sejam mitigados, uma matriz de análise de riscos bem feita é fundamental.

    0
  • Érika Teixeira

    É importante ressaltar como qualquer observação realizada ligada a qualidade do produto oferecido pode ser um alerta para um grande problema a ser enfrentado. De fato é necessário que as empresas estejam preparadas para conduzir e melhor se comunicar ao cliente, enfrentando assim qualquer situação adversa.

    0
  • Natalia Cavalcante Cintra de Macedo

    Realmente, sem uma comunicação bem arquitetada qualquer mínimo problema gera um grande transtorno, quanto mais um problema no qual seja necessário um recolhimento de lote.
    A comunicação precisa ser eficiente e eficaz para que o problema seja sanado com a agilidade.
    Parabéns pelo artigo.

    0
  • Mayra Pedrosa

    A forma de comunicação é de extrema relevância, é necessário para que as empresas estejam sempre preparadas para possíveis enfrentar possíveis problemas estando prontas para melhor resolve-los.

    0
  • LUIZ WILSON CAVALCANTI DUARTE

    O estudo de problemas e fundamental, para que não futuras reincidências e mizine os riscos para uma gestão de segurança dos alimentos eficiente, excelente artigo.

    0
  • AMANDA LOPES DA SILVA

    Um bom mapeamento de processos, uma boa análise de riscos e realização de simulados de recall, pra mim esta é a chave pra se preparar para cenários adversos e estar preparado para uma atuação eficiente e eficaz diante dos clientes e uma comunicação adequada afim de minimizar os problemas de imagem à Cia.

    0
    • Marco Túlio Bertolino

      Gestão de riscos é a grande ferramenta para prevenir que uma crise potencial torne-se real.

      0
  • Rosemary Gallindo

    Parabéns pelo artigo!
    A importância de se antecipar aos fatos é realmente imprescindível para um bom comitê de crise! Ter uma boa rastreabilidade dos produtos e processos é essencial. E acima de tudo a alta direção preparada e em linha com o tema.

    0
  • Gabriela Ferreira Floriano

    Parabéns pelo artigo, Túlio!
    Fazer simulação de Recall é o ponto essencial para manter a equipe preparada e o procedimento atualizado, pois é só na prática que conseguimos verificar os pontos fracos e se o recolhimento realmente funciona.

    0
  • Beatriz de Sousa Luiz

    Sou do curso de Eng Segurança dos alimentos do IPOG, Muito informativo o artigo, sou engenheira ambiental e não vemos como o modo que falamos e agimos para proteger a todos de possíveis incidentes, como são importantes em todo o processo. A indicação de ter uma equipe multidisciplinar também é muito interessante, pois agem de vários olhares, várias formações, assim, durante uma crise, terá uma abordagem mais eficiente.

    0
    • Marco Túlio Bertolino

      Oi Beatriz, a ISO 22000 inclusive leva isto muito a sério, sendo a equipe de segurança de alimentos um requisito. Abração.

      0
  • Fabiana Vicente

    Assegurar a rastreabilidade dos produtos fabricados, ter um fluxo adequado de comunicações e um comitê de gestão de crises onde cada um sabe exatamente o seu papel é essencial para o sucesso da mitigação de uma crise real. Dentro deste contexto, enxergo os simulados como uma parte fundamental para testar toda a sistemática definida, possibilitando a tratativa de possíveis “gaps” do programa e preparando de fato a organização para atuar com excelência em uma situação real. Parabéns Marco pela abordagem do tema!

    0
  • Maria Lucrécia Marques

    É muito importante a empresa estar preparada para qualquer situação.
    A garantia da qualidade, o monitoramento adequado de toda a cadeia produtiva e a segurança ofertada no produto final é de extrema importância.
    A comunicação e a junção de todos os setores deve ser acompanhada de perto, independente da magnitude após a confirmação do problema. É uma cadeia, todos os setores estão entrelaçados, é preciso identificar onde está a falha e corrigi – lá o mais rápido possível. É necessário que a empresa mostre ao cliente, que ela tem interesse em resolver a situação e se preocupa com a qualidade dos produtos e com a integridade dos seus clientes.

    0
  • Juliane Dias

    Marco, essa classificação que você sugere, é muito útil para a gestão interna da empresa e favorecendo a tomada de decisões e seleção de prioridades das ações com base em risco.

    No Brasil, a ANVISA, através da RDC 24/15 , diferentemente do FDA, não faz essa distinção, havendo basicamente a necessidade de recolhimento em caso de “risco ou agravo à saúde do consumidor”.

    Juliane

    0
  • Leila

    Artigo muito esclarecedor e de suma importância para nós profissionais da área de qualidade nos prepararmos para as situações de crise.

    0
  • Leila

    Um texto norteador para implantarmos a gestão de crise das instruções que prestamos serviços ou somos responsáveis técnicos. Muito obrigada pelo artigo.

    0
  • Sonja de França Andrade

    Excelente artigo! Quando falamos de empresa de grande porte, a gestão de crises torna-se mais “fácil” entretanto, quando se trata de pequenas empresas, essa gestão fica mais difícil a começar pela visão da direção.

    0
    • Marco Túlio Bertolino

      Entendo o que diz, mas no final, nas pequenas deveria ser mais fácil, por ter canais de decisão mais diretos que em uma multinacional, por exemplo. Contudo, em muitas pequenas falta ainda uma é uma cultura para a gestão de riscos, que é um nicho importante para nós profissionais da área auxiliarmos.

      0
  • Simone Floro

    Realmente, uma boa comunicação é muito importante numa empresa, Muito bom arquivo.

    0
  • Fernanda Fonsêca Aguiar de Almeida

    Mapear todos os riscos possíveis, a rapidez na comunicação para resolução de possíveis problemas e multidisciplinaridade da equipe fazem toda a diferença.

    0
  • Aline Raaby

    Ótimo texto, é importante que a equipe esteja preparada para melhor enfrentar o problema, simular uma crise ajuda bastante.

    0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Todos os textos são assinados e refletem a opinião de seus autores.

lorem

Food Safety Brazil Org

CNPJ: 22.335.091.0001-59

organização sem fins lucrativos

Produzido por AG74
© 2020, Themosaurus Theme
Compartilhar