Anúncios

Publicação do ICMSF sobre SARS-CoV-2 (coronavírus) e sua relação com a Segurança dos Alimentos

3 min leitura

Globalmente, milhões de pessoas foram infectadas pelo coronavírus e as mudanças no estilo de vida e as medidas adotadas para reduzir a propagação do Coronavírus continuam a ter grandes impactos em nossa sociedade. Além disso, o comércio também foi impactado, assim como cadeias de abastecimento de alimentos tiveram suas interrupções devido ao impacto na saúde dos colaboradores que nelas trabalham.

A ICMSF (international Commission on Microbiological Specifications for Foods) divulgou em 3 de setembro de 2020 um parecer sobre a relação entre o SARS-CoV-2 (responsável pela doença covid-19) e a segurança dos alimentos. A seguir farei um breve resumo da publicação com citações que podem ser encontradas no arquivo original.

Embora muitas informações sobre o SARS-CoV-2 ainda estejam sendo pesquisadas, o ICMFS lista em sua publicação as últimas descobertas (até o momento da publicação) científicas e técnicas relevantes aos profissionais que operam dentro e ao longo das cadeias de abastecimento.

O ICMSF também reforça a diferença entre um perigo e um risco de contaminação, ou seja, a mera presença de um agente infeccioso nos alimentos não significa necessariamente que ocorrerá uma infecção.

“A covid-19 é principalmente uma doença respiratória. A doença pode variar de muito leve a grave, com estimativas de casos fatais variando de país para país. Em princípio, o vírus causa doenças apenas quando ganha acesso aos pulmões e outros tecidos do corpo através do trato respiratório e superfícies da mucosa (por exemplo: olhos, nariz). Embora a ingestão do vírus pudesse potencialmente resultar em infecção, a transmissão oral via consumo de alimentos não foi relatada.”

O vírus SARS-CoV-2 pode afetar a saúde dos funcionários e sua disponibilidade e capacidade de trabalho. Medidas de controle devem ser adotadas como:

  • Quando os trabalhadores são afetados pela covid-19, deve haver uma medida de mitigação para evitar uma maior disseminação do vírus.
  • Manter a distância entre as pessoas, prevenindo propagação, contato via gotículas, aerossóis do nariz e ou boca. A transmissão de partículas do vírus é especialmente problemática em ambientes fechados, onde pode existir uma ventilação insuficiente.
  • Outra possibilidade, ainda que menos provável, é por meio da contaminação por contato com superfícies. Partículas de vírus podem sobreviver por horas a dias nas superfícies (Van Doremalen et al., 2020). No entanto, a chance de transmissão através de superfícies inanimadas parece ser muito pequena (Goldman,2020).

Covid-19 e a Segurança dos Alimentos

Outra citação é de que apesar de bilhões de refeições consumidas e pacotes de alimentos manipulados desde o início da pandemia, até o momento não houve evidências concretas de que alimentos, embalagens de alimentos ou manipulação de alimentos resultaram na transmissão do SARS-CoV-2.

“Existem poucos relatos do vírus SARS-CoV-2 sendo encontrado em ingredientes alimentícios, produtos alimentícios e materiais de embalagem. Muitas vezes, esses relatórios não são específicos sobre como o vírus foi identificado, que quantidade de vírus foi encontrada e se o vírus era viável e infeccioso.”

No entanto, a publicação ressalta que embora não haja atualmente nenhuma evidência ligando alimentos ou embalagens de alimentos como uma fonte de infecção de contato cruzado, é prudente enfatizar aos produtores de alimentos, fabricantes e manipuladores a importância de ter boas práticas para minimizar qualquer possibilidade de alimentos ou superfícies de contato com alimentos serem vetores do SARS-CoV-2.

Covid-19 e a mitigação de riscos para a saúde ocupacional

A publicação ainda cita medidas complementares relacionadas às preocupações de segurança ocupacional dos trabalhadores. O SARS-CoV-2 é um grande risco para a saúde do trabalhador, portanto é importante tomar medidas para protegê-los. Alguns exemplos mencionados são:

  • Instrução dos funcionários para rápido reconhecimento dos sintomas de covid-19
  • Maior enfoque na limpeza e desinfecção de superfícies de contato.
  • Instalação de barreiras físicas entre trabalhadores e / ou bancadas.
  • Máscaras faciais com ou sem visores completos.
  • Garantir que os padrões de fluxo de ar permitam movimento suficiente de ar filtrado ou ar fresco.
  • Treinamento de trabalhadores do setor alimentício e outros funcionários sobre a importância da higiene pessoal, além do treinamento para boas práticas de manipulação e condições sanitárias

Conclusão: Como em qualquer ameaça microbiológica emergente para a saúde humana, devemos estar atualizados. Novas informações e mudanças são constantes.

O material pode ser acessado na íntegra no site da ICMFS, ou clicando AQUI

*O ICMSF é uma Organização Não Governamental Global, seu objetivo é contribuir ativamente para o desenvolvimento e comunicação de conceitos científicos, para ajudar a reduzir a incidência de doenças microbiológicas transmitidas por alimentos, bem como divulgar a importância das condições sanitárias desta categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todos os textos são assinados e refletem a opinião de seus autores.

lorem

Food Safety Brazil Org

CNPJ: 22.335.091.0001-59

organização sem fins lucrativos

Produzido por AG74
© 2020, Themosaurus Theme
Compartilhar