Hoje é dia do milho!

4 min leitura

Atendendo a uma sugestão da aniversariante do dia, nossa mentora Juliane, e em homenagem ao “Dia do Milho”, comemorado no dia 24 de maio, o tema deste mês é um cereal que faz parte do dia a dia de muitas famílias mundo afora.

Junho está chegando e o milho é componente mais do que fundamental para o sucesso de qualquer festa junina que se preze.

Viva São João!

A Origem:

Como disse, o milho (Zea mays), é um cereal, cultivado em grande parte do mundo. Ele é extensivamente utilizado como alimento humano ou ração animal, devido às suas qualidades nutricionais e por conter quase todos os aminoácidos conhecidos, exceto a lisina e o triptofano.

Atualmente, somente cerca de cinco por cento da produção brasileira se destina ao consumo humano e, mesmo assim, de maneira indireta na composição de outros produtos. Isto se deve principalmente à falta de informação sobre o milho e à ausência de uma maior divulgação de suas qualidades nutricionais, bem como aos hábitos alimentares da população brasileira, que privilegia outros grãos.

No Brasil, a safra 2014/2015 deve produzir cerca de 80 milhões de toneladas (Fonte Conab).

A Transgenia:

O milho transgênico é chamado de milho Bt, devido à introdução de genes da bactéria de solo Bacillus thuringiensis, que promove a produção de uma proteína tóxica na planta, específica para o combate a determinados tipos de insetos, como é o caso das lagartas, tornando o alimento resistente a essas espécies.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a toxina produzida pelo Bacillus thuringiensis só se torna ativa quando ingerida pelo inseto – isso porque precisa de condições alcalinas para ser ativada, e essas condições são encontradas no tubo digestivo das lagartas já estando degradada quando consumida por seres humanos já que o pH intestinal é ácido.

Como ainda não há informações científicas suficientes sobre todos os efeitos dos transgênicos na saúde humana, muitas questões ainda precisam de esclarecimentos, entre elas a suspeita de ser a causadora de alguns tipos de câncer em animais e de promover o aumento da resistência de algumas bactérias a antibióticos, ou seja, estamos sujeitos a possíveis situações extremamente perigosas para a nossa saúde…

Para o meio ambiente a transgenia já causou alguns estragos na América do Norte, com a aniquilação de várias espécies de abelhas…

As Micotoxinas:

“As micotoxinas são um perigo esperado quando cereais são manejados de forma inadequada, do campo ao armazenamento. Representam parcela significativa de recalls e também já começa a ser alvo de sanções aqui no Brasil. O Codex Alimentarius, de forma muito didática, publicou o Código de prática para a prevenção e redução da contaminação de micotoxinas em cereais, incluindo Ocratoxina A, Zearalenona, Fumonisinas e Tricotecenos (CAC/RCP 51-2003). Leia o documento aqui.

O milho, obviamente, está sujeito a esse tipo de contaminação, principalmente por que é plantado e colhido no período mais chuvoso do ano aqui no Brasil. Isso somado à falta de cultura prevencionista de boa parte dos agricultores, que se preocupam muito mais com o aspecto produtividade do que com os requisitos de qualidade e de segurança de alimentos e também por conta da presença de “empresários” do setor que especulam com estoques sem considerar os riscos de proliferação de fungos causadores de toxinas em condições inadequadas de temperatura e umidade durante o armazenamento. Aliás, cabe aqui um comentário a respeito da falta de fiscalização decorrente das limitações estruturais do Ministério da Agricultura, deixado em segundo plano pelos últimos governos. Só quem convive de perto com os fiscais do MAPA, sabe do que estou falando.

Os Agrotóxicos:

Embora exista legislação e tabelas com a classificação dos pesticidas permitidos no Brasil, baseadas no Codex Alimentarius, como disse acima, a fiscalização precária favorece o uso de agrotóxicos proibidos. Mais uma vez, a desculpa do aumento da produtividade e da necessidade de abastecimento é o mote para o uso de produtos proibidos, mas que segundo seus usuários, são mais eficientes.

Estudos da EPA, Agência de Proteção Ambiental dos EUA, comprovaram que o uso do clorpirifos (da família dos organofosforados), principal agrotóxico usado na cultura do milho, causou contaminação em pequenas bacias hidrográficas e também a morte de milhões de abelhas. Desde que foi aprovado para uso na década de 60, o produto vem sofrendo restrições quanto ao seu uso. Um dos motivos é a possibilidade de danos neurológicos em crianças e mulheres grávidas. Desde 2012 a sua aplicação por aplicação aérea está proibida em território americano.

No Brasil, embora existam estudos realizados que afirmam que como outros pesticidas dessa classe química, sua toxicidade envolve a indução de mutações, alterações cromossômicas e lesões ao DNA, o produto continua sendo utilizado em larga escala, o que nos causa preocupação, uma vez que, ao que parece, estamos mais uma vez, atrasados em termos de segurança de alimentos quando o assunto é a utilização de agrotóxicos na agricultura.

O MAPA e a ANVISA mantêm, respectivamente, o PNCRC (Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes) e o PARA (Programa de Avaliação de Resíduos de Agrotóxicos) ativos para o monitoramento de resíduos de agrotóxicos em alimentos e em breve voltaremos a este assunto por aqui.

Os Benefícios:

Apesar de todas as questões abordadas acima, os bolos, doces e outras delícias produzidas a partir dos seus grãos, nos trazem todos os benefícios do milho, como a prevenção dos radicais livres, o auxilio ao funcionamento do intestino e a redução dos níveis de colesterol entre outros.

Viva as Festas Juninas e o bolo de fubá das nossas avós!

Viva o dia do Milho!

milho

Referências:

– Ministério da Agricultura (www.agricultura.gov.br)

– Agência Nacional de Vigilância Sanitária (www.anvisa.gov.br)

– Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (www.embrapa.br)

– US Environmental Protection Agency (www.epa.gov)

– Fundação Oswaldo Cruz (www.fiocruz.br)

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Todos os textos são assinados e refletem a opinião de seus autores.

lorem

Food Safety Brazil Org

CNPJ: 22.335.091.0001-59

organização sem fins lucrativos

Produzido por AG74
© 2020, Themosaurus Theme
Compartilhar