Como reduzir o risco de propagação de covid-19 durante a alimentação em home office

5 min leitura

A doença infecciosa causada pelo novo coronavírus, a covid-19, foi identificada pela primeira vez em dezembro de 2019, em Wuhan, na China. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou, em 30 de janeiro de 2020, que o surto de covid-19 constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional – o mais alto nível de alerta da Organização, conforme previsto no Regulamento Sanitário Internacional. Em 11 de março de 2020, a covid-19 foi caracterizada pela OMS como uma pandemia.

Em pouco tempo, o mundo mudou e a população global teve que se adaptar ao confinamento. Grande parte de nossa atividade econômica global parou. Os alimentos e o acesso à alimentação foram impactados pelo surto em nossa sociedade, com imagens de prateleiras vazias de supermercados exibidas pela mídia.

Com a tentativa de frear a propagação do vírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou algumas medidas de proteção como: higienizar as mãos, cobrir a boca com o antebraço ou lenço descartável ao tossir e espirrar, evitar aglomerações e manter-se em isolamento domiciliar.

Foram interrompidos os serviços cotidianos e a rotina diária de muitas pessoas, que passaram a realizar trabalho remoto (home office), reuniões virtuais e cancelaram suas viagens.

Os estabelecimentos de refeições coletivas e serviços de alimentação passaram, em grande parte, a oferecer delivery ou drive thru  e os aplicativos de fast food facilitaram o dia a dia para as pessoas que optaram por este tipo de alimentação. Porém, há uma carência de informações sobre os cuidados para higienização ao adquirir e receber os alimentos e práticas básicas de higiene alimentar segura devem ser observadas.

Os materiais como plástico, metal, vidro e papel podem ser veículos de contaminação por coronavírus. Pesquisas recentes avaliaram a sobrevivência do vírus em superfícies diferentes e constatou-se que o vírus pode permanecer viável por até 72 horas em plástico e aço inoxidável, até quatro horas em cobre e até 24 horas em papelão.

Refeições adquiridas por delivery e drive thru

Os serviços de delivery e drive thru, por sua vez, devem respeitar as orientações de higiene e limpeza e disponibilizar máscaras, luvas e álcool em gel 70% para seus colaboradores. Os cuidados devem ser realizados para evitar a propagação do vírus pelo contato com as superfícies das embalagens dos alimentos.

Dessa forma, ao receber alimentos pelos serviços de delivery ou drive thru, deve-se aplicar álcool em gel 70% nas mãos, utilizar máscaras, higienizar com água e sabão as mãos.

Ao fazer o pagamento do alimento, dar prioridade aos pagamentos virtuais. Se for necessário realizar o pagamento pessoalmente, mantenha uma distância mínima de pelo menos 1 metro da outra pessoa e se tocar na maquininha de cartão, passe álcool em gel 70% no momento e lave muito bem as mãos assim que puder.

É importante observar a higienização das bancadas, pias, louças e demais utensílios que for utilizar na refeição.

Ao consumir o alimento, transfira a refeição adquirida para outra tigela ou prato e descarte a embalagem.

Refeições preparadas em casa (home)

Não há evidências de que o vírus possa ser transmitido por alimentos, porém deve-se levar a sério a manipulação dos alimentos e sanitização, a limpeza e higienização do local de preparo das refeições e de quem está preparando as refeições (manipulador de alimentos).

O uso das boas práticas de higiene é necessário, isto porque considerando-se a disseminação dos surtos de doenças de origem alimentar, observa-se que o maior percentual acontece nas residências.

Para evitar a contaminação ao preparar os alimentos, deve-se lavar as mãos regularmente, depois de usar o banheiro, depois de manusear alimentos crus. Manter uma boa higiene pessoal é essencial especialmente quando se trabalha com alimentos.

Os alimentos cozidos devem passar pelo processo de cocção completa (atingindo 70ºC em todas as suas partes), e aqueles consumidos crus devem ser previamente lavados e sanitizados utilizando-se de compostos clorados, como a água sanitária. Recomenda-se a dosagem de 200 mg de cloro residual livre por litro de água para sanitizar por imersão e após deve-se enxaguar em água corrente.

A manipulação de objetos como o celular, no momento de preparo ou consumo das refeições, pode trazer riscos de contaminação durante a ingestão dos alimentos e deve ser evitado.

Praticar a higiene das mãos e usar máscaras é importante em todos os momentos e é a melhor maneira de se proteger da covid-19. Sempre que possível, mantenha uma distância de pelo menos 1 metro entre você e os outros, principalmente se estiver ao lado de alguém que tosse ou espirra.

Quando for ao supermercado e ao levar para casa suas compras das lojas, evite colocar as sacolas no mesmo balcão da cozinha em que você prepara os alimentos, descarte as embalagens para evitar a contaminação de superfícies e outras áreas. Evite circulação desnecessária nas ruas e demais locais públicos ou privados. Não compartilhe objetos de uso pessoal como talheres, toalhas, pratos e copos. Durma bem e tenha uma alimentação saudável.

Home office e o distanciamento social

A covid-19 se disseminou e cresceu em magnitude. É necessário atualizar-se à medida que fatos e informações adicionais sobre a pandemia se tornam disponíveis. Os cuidados com a higienização são fundamentais para evitar a contaminação e devem ser seguidos diariamente. Não existe nenhum tipo de alimento milagroso, medicamento ou suplemento que possa prevenir o contágio deste vírus. O que podemos fazer é reforçar a higienização, limitar o contato social e melhorar o nosso sistema imunológico dando atenção especial a uma alimentação saudável e planejada ao longo do dia. Medidas como estas precisam ser implementadas e ajustadas para reduzir o risco de propagação da covid-19 durante a alimentação em casa.

Confinar-se em casa e realizar o trabalho em home office é prudente e o distanciamento social é a melhor medida preventiva que as pessoas podem estabelecer.

 Autoras: Janice da Costa Miri, mestranda em Tecnologia de Alimentos no Instituto Federal Goiano, campus Rio Verde, e Mayra Conceição Peixoto Martins Lima,  do Instituto Federal Goiano, campus Rio Verde

Referências

– Conselho Federal de Nutricionistas. Recomendações do CFN: boas práticas para atuação do nutricionista e do técnico em nutrição e dietética durante a pandemia de coronavírus. https://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2020/03/nota_coronavirus_3-1.pdf.

– CUNHA, C.B.C; MORAES, F.R; MONTEIRO, V.S; FEITOSA, F.G.M.A; SILVA, I.T.C. Microbiological evaluation of the cell phones of the professionals of a Surgical Center in a beneficent Hospital. J Epidemiol Infect Control 2016.

– FREITAS J.B. Serviços delivery em tempos de Covid-19: o que é preciso saber ao receber os alimentos? UFES,2020.

– KAMPF G; TODT D; PFAENDER S; STEINMANN E. Persistence of coronaviruses on inanimate surfaces and their inactivation with biocidal agents. J Hosp Infect 2020.

– LOKHANDWALA, Snehal; GAUTAM, Pratibha. Indirect impact of COVID-19 on Environment: A brief study in Indian Context. Environmental research, p. 109807, 2020.

– MIGUS, Arnold et al. COVID-19 epidemic phases: criteria, challenges and issues for the future. Bulletin De L’Academie Nationale De Medecine, 2020.

– Ministério da Saúde. Surtos de doenças transmitidas por alimentos no Brasil. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/17/Apresentacao-Surtos-DTA-2018.pdf.

– NICOLA, M. et al. The socio-economic implications of the coronavirus pandemic (COVID-19): A review. International journal of surgery (London, England), v. 78, p. 185, 2020.

– VAN DOREMALEN, N; BUSHMAKER, T; MORRIS, D; HOLBROOK, M; GAMBLE, A; WILLIAMSON, B; et al. Aerosol and surface stability of HCoV-19 (SARS-CoV-2) compared to SARS-CoV-1. medRxiv 2020; 9 mar. https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.03.09.20033217v2.

– WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. COVID-19 and food safety: guidance for food businesses. Interim Guidance) (https://www. who. int/publications-detail/covid-19-and-food-safety-guidance-for-food-businesses, 07 April 2020).

One thought on

Como reduzir o risco de propagação de covid-19 durante a alimentação em home office

  • Raissa

    Parabéns! Muito bom o texto

    0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Todos os textos são assinados e refletem a opinião de seus autores.

lorem

Food Safety Brazil Org

CNPJ: 22.335.091.0001-59

organização sem fins lucrativos

Produzido por AG74
© 2020, Themosaurus Theme
Compartilhar